Arquivos de Fevereiro, 2010

Boeuf Bourguignon

Assisti esses dias o filme Julie & Julia (2009) e lembrei dessa excelente receita que gosto muito. No filme, que é baseado em duas histórias reais, Julie Powell (interpretada por Amy Adams) prepara, entre diversas receitas, um Boeuf Bourguignon do excelente livro Mastering the Art of French Cooking de Julia Child (no filme interpretada por Meryl Streep).  Já aviso àqueles que gostam de pratos rápidos e fáceis que esse não é o caso: reserve pelo menos uma tarde inteira, para comer o prato no almoço do dia seguinte. É possível abreviar o preparo e jantar no mesmo dia, mas recomendo que o prato “durma” na geladeira de um dia para o outro. Em resumo: no mínimo de 7 a 8 horas de envolvimento na cozinha. Mas compensa, eu garanto!

O bourguignon, como é conhecido na França, é um prato popular. Cada dona de casa que se preze tem sua própria receita e restaurantes mais modestos incluem o prato no seu cardápio. Não existe uma receita única, mas sim centenas de variações. Apresento uma versão do prato inspirado livremente no Larousse Gastronomique, porém com toques pessoais.

Como não poderia deixar de ser, o prato é originário da Borgonha (Bourgogne no original). Alguns autores questionam essa origem, argumentando que o clássico livro Cuisinier bourguignon de Alfred Contour não inclui essa receita; para justificar o nome, dizem que é por causa dos dois principais ingredientes (carne e vinho tinto), destaques da região no país.

Uma das técnicas que uso no preparo, e que também é utilizada pela Julie do filme, é cozinhar a carne em uma panela de ferro no forno. É importante empregar uma panela que não possua partes de madeira, nas alças ou tampa. Essa panela é muitas vezes conhecida internacionalmente como Dutch oven (ou French oven).O termo original vem do sistema de produção com ferro fundido usado pelos holandeses para fabricação das panelas.  No século 16 a panela era pendurada em uma fogueira produzindo um cozimento lento.

O termo French oven surgiu depois e foi criado provavelmente para designar as maravilhosas panelas francesas que podem ser utilizadas para esse fim, tais como as produzidas pela Le Creuset. Infelizmente, ainda não tenho nenhuma panela Le Creuset, e portanto tive de usar uma panela de ferro tradicional desaparafusando a madeira que serve de alça para a tampa. Funciona.

Tendo a panela, o tempo e a disposição necessária, mãos à obra. Cuide para não ultrapassar o tempo de forno, a própria Julie no filme se passa na 1ª vez que faz o prato e queima tudo. Sugiro usar um despertador, mas nem isso adiantou no caso do filme…

O resultado final do cozimento é excepcional: uma carne que se desmancha e um molho espesso com gosto de carne e vinho. Só provando para saber do que estou falando.

Bon Appétit!

Receita de Bouef Bourguignon (pdf / mp3)

(serve 6 pessoas)

Ingredientes

  • 1,5 kg de alcatra
  • 150 gr de costela de porco salgada
  • 3 cebolas roxas médias
  • 1 cálice de conhaque
  • 500 ml de vinho tinto seco
  • 300 ml de caldo de carne
  • 1 dente de alho
  • 25 cebolas bem pequenas
  • 3 colheres de sopa de azeite de oliva
  • 4 galhos de tomilho
  • 6 ramos de salsa
  • 4 folhas de louro
  • ½ xícara de farinha de trigo
  • quanto basta de manteiga
  • quanto basta de sal
  • quanto basta de pimenta-do-reino

Modo de preparo

1. Marinada (tempo estimado: 3,5 horas)

Corte a carne em quadrados de aproximadamente 5 cm de lado e 6mm de espessura.

Tempere-os com sal e pimenta. Coloque as peças de carne em uma travessa retangular de vidro. Ponha por cima as cebolas roxas cortadas em fatias, metade do azeite de oliva e metade das ervas (tomilho, salsa e louro). Despeje por cima o vinho. Cubra com papel filme e deixe marinando na geladeira por pelo menos 3 horas.

2. Pré-preparo (tempo estimado: 30 minutos )

Individualize as costelas de porco e retire algumas lascas, como se fossem finos palitos de fósforos, mantendo parte da carne junto aos ossos da costela. Reserve.

Esmague um dente de alho e reserve.

Faça um bouquet Garni usando a metade restante das ervas. Amarre-as em um cordão e reserve.

Prepare um caldo de carne ou dissolva um tablete de caldo de carne em 300 ml de água. O ideal é fazer um caldo caseiro.

Retire as carnes da marinada, escorrendo o máximo possível do caldo e reserve. Pegue algumas rodelas de cebola da marinada e pique. Guarde também o restante do caldo com as cebolas em rodelas, retirando apenas as ervas.

3. Cozimento (tempo estimado: 2,5 horas)

Para o cozimento use uma panela de ferro fundido que possa ir ao forno. Aqueça a panela na boca do fogão e adicione o azeite. Coloque então a cebola picada e o porco. Frite até o porco ficar bem cozido.

Em um prato espalhe 1/2 xícara de farinha de trigo e reserve. Aos poucos vá fritando os quadrados de carne até ficarem dourados. A medida que a carne ficar dourada, retire da panela e coloque na farinha, passando em ambos os lados para escorrer bem a gordura. Repita esse processo até que a carne esteja toda frita. Então, retire da panela as costelas de porco que contém osso. As finas lascas de porco continuam no cozimento.

Adicione toda a carne frita na panela com a farinha utilizada. Coloque por cima o cálice de conhaque e ateie fogo. Quando o fogo cessar por completo, coloque o caldo restante da marinada com as cebolas em rodelas. Aqueça por alguns segundos e adicione o caldo de carne, o alho esmagado e o bouquet garni. Deixe ferver. Tampe bem a panela e coloque, por duas horas, em um forno pré-aquecido a 180ºC.

Após o cozimento o bourguignon pode ser guardado para ser finalizado e servido no dia seguinte. Assim, a carne absorve mais o tempero e fica ainda mais saborosa.

4. Finalização (tempo estimado: 30 minutos)

Descasque as cebolas pequenas e frite-as na manteiga. Deixe-as levemente douradas. Adicione no bourguignon e aqueça por cerca de 20 minutos. Retire o bouquet garni antes de servir. Sirva acompanhado de arroz branco.

Observações

– Se quiser fazer um caldo de carne caseiro que rende exatamente a porção necessária do bourguignon faça o seguinte (ingredientes não previstos na receita original): use 50gr de cenoura bem picada, 1 cebola pequena bem picada e 200 gr de carne cortadas em pedaços (preferencialmente vitela ou ossobuco); frite a cebola e cenoura no azeite, adicione a carne e frite bem; coloque 1 litro de água e ferva por cerca de 45 minutos.

– Além da cebola é possível adicionar cogumelos. Realize o mesmo procedimento das cebolas pequenas e adicione junto na finalização. Use cogumelos Paris frescos;

– Para um prato mais barato, pode-se usar colchão, patinho ou até mesmo pá ao invés de alcatra. Como cozinha bastante, não há muita variação no sabor.

Torta de Bombons

Tortas geladas são muito saborosas. Se ainda levam leite condensado, ficam indiscutivelmente mais gostosas. A receita que apresento nesse post, além de conter esses predicados, contém também um ingrediente especial: bombom.

O bombom é um doce geralmente coberto de chocolate. Sua origem vem da palavra francesa bon, cuja a tradução é bom 😉 Portanto, representa algo que é duplamente bom ou Bonbon no original. Tipicamente é recheado, com frutas, líquidos ou massas, embalado individualmente e  de formato ovalado. Mas isso não é regra; existem bombons dos mais diversos sabores, apresentações e formatos.  Temos variados e deliciosos exemplares mundo a fora. Os melhores e mais famosos provavelmente estão na França e na Bélgica.

No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) define exatamente o que é, quais as características e classificação de um bombom. Segundo a ANVISA (Resolução nº 12 de 1978), um bombom “é  o produto constituído por massa de chocolate ou por um núcleo formado de recheios diversos, elaborados com frutas, pedaços de frutas, sementes oleaginosas, açúcar, leite, manteiga, cacau, licores e outras substancias alimentícias, recobertos por uma camada de chocolate ou glacê de açúcar.” Ah bom. Mas o mais importante da resolução é a definição do que não pode ter em um bombom, afinal estamos falando de vigilância sanitária. Outra definição interessante é a classificação: de fruta, de chocolate, recheado, crocante, Janduia ou Cinduia (massa obtida pela mistura de chocolate com frutas oleaginosas torradas) e praliné (massa obtida pela mistura de chocolate com frutas oleaginosas torradas e recobertas de chocolate). Como exemplos de frutas oleaginosas, temos as castanhas, amêndoas e os damascos.

Mas deixando a história de bombons de lado, vamos à receita. Comi essa torta pela 1ª vez no aniversário da minha colega de graduação Luciana e imediatamente pedi a receita. Lá se vão quase 20 anos…

A receita usa bombons industrializados, mais facilmente encontrados por todo o Brasil. A torta das fotos foi feita com o chocolate Bis®. da antiga Lacta® e atualmente da Kraft foods®. Usei na receita metade de Bis preto e metade de Bis branco. Outros tipos de bombons também podem ser utilizados. Por exemplo, Sonho de Valsa®, também produzido pela mesma empresa.

Delicie-se.

Receita de Torta de Bombons (pdf / mp3)

Ingredientes

  • 2 latas de leite condensado
  • 1 lata de creme de leite
  • 400 gr de bombons, cortados em pedaços
  • 8 ovos
  • 2 colheres de sopa de manteiga
  • 4 colheres de sopa de chocolate em pó
  • 1 xícara de açúcar

Modo de Preparo

Faça um creme branco misturando em uma panela 1 lata de leite condensado, 4 gemas e 1 colher de sopa de manteiga. Mexa, em fogo brando, até aparecer o fundo da panela. Reserve.

Faça um creme escuro misturando em uma panela 1 lata de leite condensado, 4 gemas, 1 colher de sopa de manteiga e 4 colheres de sopa de chocolate em pó. Mexa, em fogo brando, até aparecer o fundo da panela. Reserve.

Junte as 8 claras restantes com a xícara de açúcar em uma batedeira. Bata até formar um merengue. Misture então a lata de creme de leite. Divida o creme resultante em duas partes, adicionando metade ao creme branco e metade ao creme escuro.

Em um prato refratário retangular, monte a torta de bombons obedecendo a seguinte ordem:

1ª camada: creme escuro;

2ª camada: bombons picados (use cerca de 60%, deixando o restante para cubrir a torta);

3ª camada: creme branco.

Cubra com os bombons picados restantes e leve ao congelador por pelo menos 4 horas.